domingo, 13 de novembro de 2011

Dark Moor - Between Light and Darkness (2003)



A história é mais ou menos assim: uma moça que espanhola - que canta em bandas de rock desde os 12 anos idade (!) -, chamada Elisa Martins, depois de passar por alguns grupos inexpressivos encontrou guarita no Dark Moor.

Com a banda, Elisa participou de três álbuns: Shadowland (1999), The Hall Of The Olden Dreams (2000), The Gates of Oblivion (2002). Eram bons discos de Power Metal e ponto: Elisa resolveu sair junto com mais dois colegas do grupo para logo montar o Dreamaker. No entanto, deixaram registrada uma despedida: Between Light and Darkness - um EP composto por canções acústicas, uma versão orquestral de "Dies Irae" e três faixas inéditas.
Elisa Candelas Martin

Ao por a primeira faixa para ouvir, “Memories”, se leva um susto: - que voz maravilhosa é essa? Elisa Martin soltou a voz como nunca, cantando com uma energia e sentimento ainda não visto nos álbuns anteriores. E é principalmente nas canções acústicas, numa sequencia de três músicas – Memories, From dawn to Dusk e A Lamento f Misery – nas quais Elisa canta num fôlego só, não deixa tempo para nós respirarmos (nem ela).

Os dez minutos da versão para Dies Irae, que faz parte da obra Requiem de Mozart, também não passa desapercebida, nem faz feia The Shadow of the Nile e a instrumental erudita Echoes of The Sea.

3 comentários:

  1. Dark Moor entrou na minha vida pelas suas mãos, e na exata época em que nos conhecemos, há anos atrás. Adoro as músicas que conheço desse disco naõ só pela bela voz da Elisa como pelo carinho com que tenho dessa época. O orkut era tão bom! E conhecer vc lá foi um bonus.
    Muita coisa ruim aconteceu depois, e é quase um milagre que ainda sejamos amigos. Mas acho que o Dark moor é uma banda fantástica.
    E seu post? Ficou muito bom, como sempre, rs

    ResponderExcluir